Como Ganhar uma Discussão, segundo Gandhi

“Educação gera conhecimento, conhecimento gera sabedoria, e só um povo sábio pode mudar seu destino” (Samuel Lima, Portal Educação e Transformação).

“É muito melhor você perceber um defeito em si mesmo do que dezenas nos outros. Por que o seu defeito você poderá mudar”. (Dalai Lama).

Blog Edmilson de Paula

O Blog Edmilson de Paula, tem por objetivo estudar a ciência da contabilidade, no campo de aplicação do setor público, tendo em vista que os profissionais da contabilidade nas entidades públicas (concursados e efetivos), são os mais aptos, preparados e habilitados para registrar, controlar, acompanhar, interpretar e fornecer informações de natureza orçamentária, financeira, contábil e física do patrimônio público, em apoio ao processo de tomada de decisão, a adequada prestação de contas e o necessário suporte para instrumentalização do controle social.

Dessa forma, no Blog Edmilson de Paula, você encontra: Cultura, Estudos e Pesquisas.

Grandes pensadores, nos seus tempos, como Gandhi, Aristóteles, Dalai Lama, entre outros, nos faz refletir de maneiras com sabedoria para enfrentar os problemas cotidianos. Assim, eu compartilho de “Como Ganhar uma Discussão”, segundo Gandhi”. Extraído da Mente Maravilhosa, de 11/04/2017.

Então, vamos aos escritos belos deste Grande Pensador e Fazedor para solução de conflitos sem violência.

Como Ganhar uma Discussão, segundo Gandhi.

A Mente Maravilhosa, 11/04/2017.

A vida de Mahatma Gandhi está cheia de histórias e anedotas sobre confrontos que acabam trazendo grandes doses de sabedoria.

Na verdade, este homem tornou-se famoso e passou para a história por ser o primeiro a propor uma “guerra” sem violência.

Dizem, por exemplo, que uma vez se sentou para comer ao lado de um professor da Universidade de Londres. O professor lhe pediu que ele se retirasse porque “as aves e os porcos não podem comer juntos”. Gandhi se levantou e disse: “Não se preocupe professor, eu vou voar para longe”.

“O objetivo de qualquer discussão não deve ser a vitória, mas o progresso”. – Joseph Joubert.

Gandhi quase sempre alcançava os seus objetivos nas discussões, mas fazia isso com tanta inteligência e graça, que sempre ensinava algo para o seu adversário. A sua intenção não era ganhar a discussão, mas extrair um aprendizado dessa situação. Detalharemos aqui algumas sugestões de Gandhi para ter sucesso em uma discussão.

Conselhos de Gandhi para lidar com confrontos.

Não seja egoísta e argumente solidamente.

Para Gandhi, toda perspectiva de um problema também deve incluir o comportamento do oponente. Levando em conta essa ideia, ele conseguiu destruir o monopólio da indústria têxtil britânica e, em seguida, se apresentou em cada uma das fábricas para se desculpar pelas demissões que havia causado.

Ele sempre estudou cuidadosamente todos os assuntos. Não se conformava em ter uma visão superficial do mundo. Ele lia, aprofundava, consultava, e tudo isso lhe permitia formar uma opinião fundamentada e sólida sobre qualquer assunto. Isso é sem dúvida, uma chave para enfrentar qualquer debate.

Treine a força física e a paciência

Ele acreditava que a força do corpo contribuía de forma decisiva para a força da mente. Gandhi mantinha uma boa forma física, o que lhe permitiu suportar momentos difíceis com uma capacidade de recuperação incrível. O treinamento para fortalecer o corpo traz a temperança, o fortalecimento da vontade e do autocontrole.

Por sua vez, a paciência é o treinamento da mente. Gandhi dizia que uma parede deve ser construída tijolo por tijolo, e que cada um tem o seu próprio momento para se encaixar ali. A paciência é uma característica das mentes mais fortes. Não ceder ao primeiro impulso é a chave para o sucesso, especialmente em um confronto.

Ter Empatia, envolver-se com as emoções do outro

Gandhi pregava ideias que eram universais. Os seus princípios não eram o produto de uma visão regionalista ou caprichosa. Pelo contrário, em suas ideias e nas suas lutas estava presente toda a humanidade. Sua doutrina focou, em um primeiro momento, o seu próprio povo, mas foi inspirada por valores universais.

Este líder valorizava as emoções, o seu discurso não era puramente ideológico. Ele tentava entender a posição dos seus adversários e levava em consideração o que eles poderiam estar sentindo. Por isso, centenas de milhares de pessoas em todo o mundo o seguiram e o admiraram, mesmo que não compartilharem da sua causa. Vencer um confronto não implica necessariamente anular o outro.

Falar com Linguagem simples e ser Transparente

A simplicidade do discurso é algo que caracteriza os grandes líderes; eles não falam para serem admirados, falam para serem compreendidos. E a melhor maneira de promover a compreensão é a utilização de uma linguagem simples que qualquer pessoa possa entender.

Isso seria populismo se por trás do discurso houvesse interesses ocultos. Mas se as palavras simples não escondem verdades ocultas, elas atingem o coração das pessoas. Um discurso sincero e genuíno tem um grande poder de convencimento e respeito. Uma discussão verbal se ganha com argumentos sinceros e profundos, ditos de forma simples e sem mentiras.

Crescer e autossuficiência e perseverança. Gandhi transformou a sua autossuficiência em uma forma de construir a liberdade

Ele fazia as suas próprias roupas e outros objetos de uso cotidiano. Ele sabia que os laços de dependência não nascem nos grandes feitos, mas nos pequenos detalhes. E atacou o mal pela raiz.

Ele demorou 55 anos para completar a independência da Índia, que era o seu grande sonho. Fez o seu caminho da sua maneira: sem recorrer a violência. Passou por muitas dificuldades antes de alcançar os seus objetivos: dificuldades de todos os tipos, até mesmo conflitos consigo mesmo. No fundo ele sabia que a perseverança é a chave para abrir qualquer porta e que a capacidade de persistir nos faz seguir em frente até alcançar a vitória.

Todos os ensinamentos de Gandhi nos deixaram uma preciosa lista de valores humanos. Seu triunfo foi um triunfo do espírito e marcou um antes e um depois.

O maior de todos os seus preceitos era confrontar sem o objetivo de destruir o outro. Dessa forma, nunca há uma derrota porque é uma maneira segura para que todos possam terminar ganhando, mesmo que não ganhem tudo o que gostariam.

 Edmilson Antônio de Paula

É Contador no Instituto Federal de Educação de São Paulo, no campus Barretos. É Bacharel em Ciências Contábeis e Especialista em Contabilidade Pública.