A História da Contabilidade

A contabilidade nasceu com a civilização humana e com ela e através dela foi se desenvolvendo, embora de maneira lenta, mas evoluiu.

No Dicionário de Contabilidade, SÁ (1995: páginas 247/248 e 257/258) escreveu e ensinou.

A história da contabilidade é tão antiga quanto a própria história da civilização. Está presa às primeiras manifestações humanas da necessidade social de proteção à posse e de perpetuação e interpretação dos fatos ocorridos com o objeto material de que o homem sempre dispôs para alcançar os fins propostos.

A história da contabilidade está revestida de fatos que demonstram uma evolução muito lenta no tempo, prendendo-se em suas manifestações primeiras, exclusivamente, à própria história das contas, ou seja, fazer daquilo que se tem ou daquilo que deverá ser entregue a terceiros.

Foi o pensamento do”futuro” que levou o homem aos primeiros registros a fim de que pudesse conhecer as suas reais possibilidades de uso, de consumo, de produção, etc.

Com o surgimento das primeiras administrações particulares aparecia a necessidade de controle, que não poderia ser feito sem o devido registro, a fim de que se pudesse prestar contas da coisa administrada.

À medida que o homem começava a possuir maior quantidade de valores, preocupava-lhe saber quanto poderiam render e qual a forma mais simples de aumentar as suas posses; tais informações não eram de fácil memorização quando já em maior volume, requerendo registros.

A história da contabilidade mereceu diversas divisões de acordo com os diversos estudiosos.

1º Período – História Antiga da Contabilidade: época histórica da contabilidade, que se caracteriza pelo rudimentarismo empregado no registro dos fatos administrativos e na sua interpretação. Período compreendido entre 6.000 a. C. até 1.202 de nossa era.

2º Período – História Média da Contabilidade: época histórica da contabilidade, representada pelos acontecimentos compreendidos entre 1.202 e 1.494. O principal acontecimento da época é o aparecimento do método do registro contábil por partidas dobradas.

3º Período – História Moderna da Contabilidade: época histórica da contabilidade, representada pelos acontecimentos sucessivos entre 1.494 e 1.840. A característica principal do período é o aparecimento das obras de divulgação sobre a técnica dos registros patrimoniais.

4º Período – História Contemporânea da Contabilidade: época histórica da contabilidade, representada pelos acontecimentos desde 1.840 até nossos dias; o mesmo que história científica da contabilidade.

Como podemos notar dos escritos feitos pelo saudoso e eminente professor “Antônio Lopes de Sá”, que a contabilidade surgiu e evoluiu através do crescimento das pessoas.

Imaginemos então, como se davam as contagens físicas dos rebanhos, os bens patrimoniais das propriedades rurais da época, tendo estes feitos através de pedras ou outros métodos rudimentares, logo no começo de sua idade. E a partir dos tempos que se passaram, com a descoberta de escrita à mão a base de pena de ave e muito depois por canetas, papeis e
livros.

Muito mais adiante, com o crescimento das empresas abertas e instaladas no Brasil, exigiram controles dos registros contábeis mais adequados para contribuir na melhor avaliação dos resultados operacionais brutos. Resultados operacionais brutos é o confronto entre as receitas e os custos para produção e vendas de mercadorias, produtos e serviços.

Dessa maneira, com a criação e do fácil acesso à tecnologia, as pessoas (físicas ou jurídicas, com ou sem fins lucrativos), estão cada vez mais modernizadas, possibilitando registros e informes contábeis mais rápidos. Um simples comando no teclado de um computador, por exemplo, tem-se demonstrações contábeis prontas. Todavia, para registrar, controlar e orientar são atribuições dos profissionais da contabilidade habilitados.

Noutras oportunidades, traremos mais estudos para juntos aprender e ensinar acerca das definições, objeto e objetivos da ciência contábil.

O mais importante é o dever de termos em mente, que a contabilidade iniciou-se há muitos e muitos anos atrás, e não desapareceu com o passar dos anos. Ao contrário, fortaleceu, vez que esse ano de 2016 fez 70 anos à criação do Conselho Federal de Contabilidade e os Conselhos Regionais de Contabilidade e das atribuições definidas para os profissionais da
contabilidade, como bem preceituam os artigos 1º e 2º do Decreto-Lei 9.295, de 27 de maio de 1946, nestes termos:

“Art.1 – Ficam criados o Conselho Federal de Contabilidade e os Conselhos Regionais de Contabilidade, de acordo o que preceitua o presente Decreto-Lei.”

“Art. 2º – A fiscalização do exercício da profissão contábil, assim entendendo-se os profissionais habilitados como Contadores e Técnicos em Contabilidade, será exercida pelo Conselho Federal de Contabilidade e pelos Conselhos Regionais de Contabilidade a que se refere o art. 1º.”

E por fim, só para clarificar quanto aos profissionais da contabilidade: os contadores são os diplomados em curso superior de ciências contábeis e os técnicos em contabilidade, os diplomados no ensino técnico de contabilidade. Vale registrar que, ambos devem estar com seus registros ativos nos respectivos Conselhos Regionais de Contabilidade, de acordo seus domicílios profissionais. Lembrando-se ainda que, por ordem de legislação aplicável vigente, deverão passar por provas e aprovações no exame de suficiência de contabilidade.

 

Edmilson Antônio de Paula
Graduado em Ciências Contábeis
Pós-Graduado Especialista em Contabilidade Pública
É contador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Câmpus Barretos.